Sunday, July 18, 2010

ASSASSINO OU VÍTIMA?

Calma! Não quero aqui defender e muito menos acu-sar ninguém. Apenas chamar a atenção para al-guns aspéctos que dão origem a fatos como esse, e muitos outros.
#
Tanto no meio artístico quanto no meio esportivo, é muito comum vermos pessoas muito jovens, sem ne-nhuma experiência, sem nenhum preparo psico-lógico e sen nenhuma orientação, atingirem o su-cesso e a fama em um espaço muito curto de tempo. Passam a fazer parte da midia, ganham rios de dinheiro e não sabem como administrar esse momento. A culpa é deles? Não! Eles são apenas o produto final. Estão na extremidade final de uma cadeia de fatores que levam a acontecimentos, muitas vezes, bárbaros, como o que estamos vivendo no momento.
#
Tudo tem sua origem na base, na família, no berço de cada um. Uma pessoa que tem uma boa edu-cação, uma boa orientação, um bom preparo no seio da família, não passa por essas situações. A es-trutura familiar é peça fundamental. Temos muitos exemplos de pessoas que tiveram enorme sucesso e fama, mas que vieram também de uma família bem estruturada, baseada em princípios, e poderia citar alguns nomes como Zico, Rai, Bebeto, Diego, Guga... que tiveram (alguns ainda têm) fama e sucesso, mas que souberam aproveitar seus momento de maneira sadia. Nunca se ouviu falar que estivessem envolvidos em fofocas, baladas e escândalos. Pelo contrário, sempre tiveram e mantiveram uma imagem positiva.
#
Hoje, a grande maioria dos jogadores (mais especificamente falando de futebol) fazem três gols, tornam-se famosos, passam a ganhar muito dinheiro, mas não têm orientação alguma de como administrar. Esse deslumbramento inicial, esse sucesso sobem à cabeça de tal forma que se acham superiores e inatingíveis, acima das leis e dos bons costumes, totalmente insubstituíveis. Não sabem sequer como gastar esse dinheiro. Gastam da maneira como acham que devem, sempre acreditando que esse dinheiro nunca vai acabar, e fazem tudo o que querem, às vezes até mesmo sem perceberem o que estão fazendo.
#
Repito: não quero aqui defender ninguém. Bruno cometeu um crime bárbaro e tem que pagar pelo que fez. Mas não vamos agora simplesmente condená-lo, e sim tentar entender o porque de tudo isso. Não adianta agora a Presidente do Flamengo vir à televisão e dizer que "a imagem do clube foi afetada, que isso é admissível, que quem cometeu o crime foi o ex-jogador e não o Flamengo, bla, bla, bla..." Por-que é que o clube NUNCA se importou com a vida dos seus jogadores? Porque é que o clube NUNCA teve profissionais que pudessem orientar seus jogadores em como gastar e aplicar o dinheiro, em como cuidar da imagem - muitos não sabem sequer o que é essa imagem - e até mesmo orientação psicológica, em como lidar com a fama e o sucesso. Será que sairia muito caro para um clube chamar um desses profissionais uma vez por semana, para, após um treino, dar uma palestra, uma orientação? O que os clubes querem é apenas ganhar dineiro. São hoje, verdadeiras empresas de fazer dinheiro. Não existe mais o amor à camisa.
#
Bruno cometeu um crime, mas também foi vítima! Vítima de um sistema no qual somos todos culpados. Cada vez que compramos um camisa do time por um preço exorbitante pra fazer propaganda gratuíta, cada vez que pagamos caro para assistir a uma pertida de futebol e ainda correr risco de vida, caca vez que idolatrarmos esses jogadores só porque fizeram gols (o que não deveria ser nada de extraordinário, afinal, são pagos pra isso, e não fazem mais que obrigação), estaremos contribuindo para que novas vítimas surjam. Até quando?
#
Analisemos nossa atitude. É muito fácil apontar o Bruno como monstro, mas será que não somos tamém um monstro, no sentido de estarmos colaborando para a criação de novos monstros?
#

Thursday, July 8, 2010

FALTA DE CONTROLE OU INCOMPETÊNCIA???

A campanha eleitoral mal começou e as falcatruas já marcaram presença, e logo na apresentação do Progra-ma de Campanha ao TFE, pelos candidatos.
#
O da ilustríssima idolatrada salve salve Dilma foi, segun-do seu comitê, apresentado errado, foi corrigido e pode ser corrigido novamente! Isso é o que eu chamo de consistência!!!
#
Mas o que tinha esse programa? Qual foi o problema, ou problemas, apresentados no programa da Dilma? Nada mais nada menos, propostas que não haviam sido aprovadas pelo PMDB, o sócio principal da aliança (e que aliança!), como cobrança de impostos sobre grandes fortunas, redução das jornadas de trabalho, combate ao monopólio dos meios de comunicação, assuntos relacionados ao MST... O PMDB, claro, gritou, protestou e reclamou das referidas propostas e por não ter sido consultado. Afinal, que aliança é essa em que o sócio principal não é consultado? O comitê da Dilma correu, pediu desculpas, prometeu fazer modificações, mas o estrago já estava feito.
#
O mais interessante de tudo foi quando o PMDB questionou, como Dilma poderia ter aceito tal programa (detalhe: o programa não foi feito por ela!!!!). Mais interessante ainda foi a resposta de Dilma, quando alegou não ter conhecimento das propostas contidas no programa apresentado pelo PT. Não tinha conhecimento? Como não? Ela assinou o programa! Rubricou página por página! Pra piorar ainda mais, os dirigentes da campanha disseram que ela não sabia e que havia assinado sem ler! OMG!!!! Já percebi que a marca registrada do PT é "não sabia de nada!" tal qual a desculpa dada pelo Lula (da Silva). Ou seja, como disse minha amiga Lúcia Hipólito, "a emenda ficou pior que o soneto"!
#
Então eu me pergunto: como pode, ela, assinar propostas do seu programa de governo sem saber quais são essas propostas? E mais: como será o seu governo, caso ela vença as eleições? Mais: que controle ela terá em seu governo? Que Presidente da República é essa que assina documentos sem ler? Será ela, sempre manipulada por alguém? Quem? Que presidente é essa que não controla o seu próprio partido? Não controla os porões do próprio partido? Como poderá controlar um país?
#
E a dúvida continua: será que ela realmente não sabia? Será que ela concordava com as tais propostas? Porque não veio a público esclarecer tudo? É, as eleições estão se aproximando. O futuro do país, dos nossos filhos e netos, está em nossas mãos.