Thursday, May 26, 2011

QUE SEJAM OS GAYS HUMILHADOS E MORTOS... MAS SALVEM O PALOCCI !!!

Hoje cedo, voltando de viagem, deparo-me com a notícia a seguir veicu-lada no 'Estadão':

“Para evitar investigação e CPI, governo cancela kit homofobia” - Preocu-pada com a pressão dos parlamentares evangélicos, que ameaçaram endossar o pedido de CPI para investigar o chefe da Casa Cicil, Antônio Palocci, a presidente Dilma Rousseff telefonou na terça-feira a noite para o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) e avisou que havia mandado suspender o kit anti-homofobia que estava sendo preparado pelo Mi-nistério da Educação para distribuição nas escolas. "Ela telefonou para mim e disse ter determinado ao Ministro Fernando Haddad (Edu-cação) a suspensão do material. Afirmou que não quer o Ministério envolvido em assuntos que devem ser tratados pelas famílias”, disse Crivella.

O efeito foi imediato na bancada evangélica... “Diante disso não vamos endossar a convocação de Palocci” , disse o deputado Anthony Garotinho (PR-RJ), depois de informado oficialmente do recuo do Planalto pelo ministro da secretaria-geral da presidência, Gilberto Carvalho.

O kit anti-homofobia foi assunto também do jantar de Dilma, na terça-feira, com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Palocci, a ministra do planejamento, Miriam Belchior, e Carvalho, no Palácio da Alvorada. Na ocasião, Dilma disse que o vídeo era “totalmente inadequado”. Ontem, depois de conversar com parlamentares das bancadas evangélica, católica e de defesa da família, Carvalho anunciou a suspensão da produção de vídeos e cartilhas contra a homofobia e vetou a divulgação dos que já haviam sido distribuídos."
- Fim da matéria.

Resumo meu agora: Há indícios muito fortes de ‘tráfico’ de influência e uso de informações oficiais privilegiadas vendidas ao setor privado por uma empresa de consultoria do então deputado Palocci. Só que o deputado agora ocupa o segundo cargo executivo mais importante do Governo - e nessa condição, não interessa ao governo que seja ele investigado. Começam aí as manobras para aliciar votos e bloquear um eventual inquérito para investigar mais a fundo as prováveis maracutaias de Palocci (com efeito de respingo em sabe lá quem ou o quê). Qual a saída encontrada? Vamos comprar votos católicos e evangélicos, e que se dane essa história de homofobia.

Eu não vi esse vídeo nem li as cartilhas. Podem ser inadequados, como disse Dilma? Sim. Podem ser exagerados? Sim. O Ministério da Educação pode ter errado na dose. O correto então seria corrigir as eventuais inadequações e prosseguir com a produção e distribuição. Existem muitos exemplos de bons materiais educativos sobre este tema produzidos em países como o Canadá e pela própria OMS. Mas não! O Governo viu aí uma oportunidade política de salvar Palocci. E a presidência da república logo tratou de propor ao Bispo Crivella e ao deputado Garotinho (homofóbicos notórios) a barganha: votem contra a convocação de Palocci e nós queimamos as cartilhas... Vejam o naipe de gente com quem o governo faz pacto, em troca da oportunidade de conscientização de toda uma nova geração nas escolas sobre a homofobia.

Não me venham com esse argumento ridículo de que isto é tema a ser tratado pelas famílias. E o bullying, que é um tipo muito semelhante de preconceito contra diferentes e minorias, e que tem amplo e forte apoio para divulgação nas escolas? Bullying pode ser tratado na escola; homofobia (que também é bullying) não... Fica claro que o problema é quando a diferença significa ser gay. Ensinar respeito para com os coleguinhas gordos (“baleia”), negros (“tição”, “beiçudo”), estrábicos (“caolho”, “vesgo”), deficientes (“aleijado”) – isso pode e deve ser abordado na escola. Agora, os gays (“viado, bichinha, mulherzinha, fresco, etc...) são, segundo a Presidente Dilma, “tema familiar”. Não é assunto para escolas e sociedade – voltem com esse tema para o armário familiar por favor!!!

O problema nunca foi o kit, mas sim encontrar uma via urgente para salvar o ministro. Palocci deve ser mesmo um homem muito poderoso e muito bem informado. Talvez até demais. E a homofobia foi a moeda de troca desta vez. Gays continuarão a ser humilhados e espancados por aí, pois agora há veto oficial à divulgação de informação da homofobia como ato socialmente inadequado e promotor de violência. A cada dia cresce minha vergonha em ser brasileiro. Que tristeza eu virar troco na mão de gente como Garotinho e Crivella. Como disse Garotinho: “diante disso (suspensão dos kits), não vamos endossar a convocação do Palocci”. A relação de toma-lá-dá-cá é vergo-nhosamente clara! Que pesar em ver um governo ora promissor se rebaixar e rolar na lama para salvar a cabeça dos amigos da Corte.

A foto em anexo é de um cidadão brasileiro, professor, homossexual, brutalmente espancado por grupos neo-nazistas em 2008 na cidade de São Paulo. São esses brasileiros e este tipo de violência que estão sendo negociados para sal-var a cabeça de Palocci.

Ainda tem orgulho de ser brasileiro?

Com colaboração de Newton Lemos.


Thursday, May 19, 2011

CASO ENCERRADO COIZÍSSIMA NENHUMA!!!

Não tem seis meses o governo da Dilma e mais um escândalo estoura, e onde? Na Casa Civil!!! Parece que a Casa Civil no Governo Petista é predestinada a ser sede dos escândalos. Sim, estou falando do Palocci, que não é nenhum principiante em matéria de escândalos.

Mas não é especificamente a ele que eu quero chamar a atenção, mas sim á rapidez do governo em defender o Ministro e dizer que "o caso está encerrado"! Como é que de 2006 a 2010, período em que ele foi Deputado Federal, membro da Comissão de Finanças e Tributação alega que recebeu quase R$ 8.000.000,00 de consultorias prestadas no mesmo período? Como ele arranjava tempo pra dar tanta consultoria? Seu único sócio minoritário vive em Nova York! É óbvio que ele sozinho não tinha condições de dar tanta consultoria. E então?

Esse documento (email) emitido pelo Planalto justificando seu enriquecimento só vem aumentar as especulações. Ninguém proíbe ninguém de ter empresas e de dar consultorias, mas em se tratando de um cargo público, deve sim, dar explicações claras de tudo, porque somos nós quem pagamos o seu salário. Porque se recusar vir a público dar essas explicações? Essa cultura de que autoridades não têm que dar explicações precisa acabar! Em qualquer lugar no mundo, diante da menor suspeita, o parlamentar vai ao Congresso se explicar e corta as especulações pela raiz. Aqui no Brasil, fica esse empurra pra lá, puxa pra cá, nega, diz que é invenção... mas não vem a público dar explicações concretas, o que torna bem claro a existência de “negócios exclusos”.

De um lado temos a imagem do poderoso diretor do FMI saindo da primeira classe de um avião, algemado, acusado de assédio sexual a uma camareira de hotel, e do outro, o Ministro da Casa Civil que acha que não deve explicações quando aparece um apartamento de R$ 6.600.000,00 e um escritório de R$ 880.000,00 na sua declaração.

A Constituição é bem clara, e não proíbe nenhum parlamentar de ter empresas, mesmo de consultoria. O que não pode, e isso também está bem claro na Constituição, é que, ao tomar posse, o parlamentar “não pode ser proprietário ou sócio de empresas que lidem com temas que ele venha a analisar no seu cargo”. Palocci era membro da Comissão de Finanças e Tributação, o que já caracteriza um conflito e uma falta de ética que também devem ser analisados.

Sua declaração já está na internet e a pergunta é: porque ele não declarou esse ganho exorbitante? Ninguém quer violar o sigilo bancário e fiscal do Ministro – o que ele sabe muito bem fazer, como o fez no caso do caseiro Francenildo – o que se quer é uma explicação a respeito de um enriquecimento estarrecedor – 20 vezes maior, no período em que era Deputado!!!!! O que mais me espanta é a ilustríssima Marta Suplicy vir a público e dizer que “todo mundo pode ganhar muito dinheiro dando palestras” e ainda cita o ex-presidente Lula (o da Silva) como exemplo! Por favor! Tudo bem que seu filme já esteja queimado há muito tempo, mas aí já é apelação. É subestimar demais a minha inteligência. Coisa comum aos que nada tem a dizer.

Aliás, essa argumentação petista introduzida pelo Lula, desde a época do mensalão, de que “todo mundo faz então eu também posso fazer” também tem que acabar. O caso não está encerrado – está longe de estar encerrado. Eu só gostaria de fazer mais uma única pergunta: como é que o povo brasileiro permite que alguém com um histórico como o do Palocci, volte a ocupar um cargo público? Eu não o contrataria nem pra faxineiro (não desmerecendo a profissão, pelo contrário, mas porque ele não serve nem pra isso).

Mas parece que o brasileiro, quanto mais apanha, mais quer apanhar.